Inicio / ACTUALIDAD / A decisão de Haia na disputa entre Colômbia e Nicarágua será ouvida em 21 de abril

A decisão de Haia na disputa entre Colômbia e Nicarágua será ouvida em 21 de abril

En noviembre de 2012, la Corte Internacional de Justicia (CIJ) confirmó la soberanía colombiana de siete cayos cercanos a las islas de San Andrés, Providencia y Santa Catalina, pero le dio a Nicaragua una porción de mar mayor de la que tenía anteriormente. EFE/Mauricio Dueñas/Archivo
En noviembre de 2012, la Corte Internacional de Justicia (CIJ) confirmó la soberanía colombiana de siete cayos cercanos a las islas de San Andrés, Providencia y Santa Catalina, pero le dio a Nicaragua una porción de mar mayor de la que tenía anteriormente. EFE/Mauricio Dueñas/Archivo

O Ministério das Relações Exteriores da Colômbia informou em comunicado que já há uma data para ouvir a decisão da Corte Internacional de Justiça, um tribunal ligado às Nações Unidas e com sede em Haia (Holanda), sobre duas ações impostas pela Nicarágua e pela Colômbia.

É importante notar que o veredicto do Tribunal de Haia não implicará nenhuma mudança nos mapas de nenhum dos dois países envolvidos no litígio, como aconteceu em 19 de novembro de 2012.

Naquela ocasião, a Colômbia manteve a soberania sobre o continente de San Andrés, Providencia e sete chaves anexadas ao departamento — Albuquerque, Bajo Nuevo, Sudeste, Quitasueño, Roncador, Serrana e Serranilla — mas perdeu uma porção significativa do mar para a Nicarágua — conservou apenas doze náuticas milhas da água que cercam esses territórios -.

A decisão pendente do Tribunal de Haia está relacionada a supostas violações de direitos soberanos e espaços marítimos no Mar do Caribe pela Colômbia, acusada pelo governo de Daniel Ortega desde 2013.

De acordo com a Nicarágua, a Marinha Nacional da Colômbia continua operando em águas do Mar do Caribe que não fazem mais parte de sua jurisdição. Além disso, eles dizem que a emissão do Decreto 1946 de 2013, que estabelece a Zona Contígua Integral do Arquipélago, o Governo da Colômbia omite as mudanças que deveriam ter ocorrido no mapa após a decisão.

Em resposta a essa demanda, a Colômbia rebateu a Nicarágua. Segundo o Ministério das Relações Exteriores da Colômbia, “a Nicarágua violou os direitos de pesca artesanal dos habitantes do arquipélago, em particular da comunidade Raizal, de acessar e operar seus bancos de pesca tradicionais”.

Além disso, a Nicarágua teria emitido um decreto em sua própria legislação que seria contrário ao direito internacional e procuraria adicionar ainda mais áreas marinhas do que já havia conquistado em tribunal, em detrimento da Colômbia.

Para resolver esta disputa, o Tribunal de Haia convocou várias audiências orais — presenciais e virtuais — entre 20 de setembro e 1º de outubro do ano passado. Em nome da Colômbia, além dos advogados de defesa, falaram a vice-presidente e ministra das Relações Exteriores, Marta Lucia Ramírez, o governador do departamento de San Andrés e Providencia, Everth Hawkins Sjogreen, a Marinha Nacional e o representante da comunidade Raizal Kent Francis James.

A equipe que interveio em defesa da Colômbia defendeu os direitos tradicionais de pesca da comunidade raizal – cujos cardumes de peixes estavam fora das 12 milhas náuticas estipuladas na decisão anterior – a suposta violação dos direitos da Nicarágua em relação à Colômbia em relação ao Caribe. Mar, a proteção da soberania, a proteção do ecossistema marinho e a guerra contra as drogas.

Por sua vez, espera-se que a Nicarágua tenha mostrado as evidências que possui sobre as supostas violações do espaço marítimo que a Colômbia cometeu desde a emissão da sentença em novembro de 2012.

Depois de assistir às audiências e analisar as evidências fornecidas por ambas as partes, os juízes informaram que proferirão sua sentença em 21 de abril de 2022, no Palácio da Paz em Haia, às três da manhã no horário colombiano – 10 da manhã na Holanda.

Finalmente, o Ministério das Relações Exteriores informou que a equipe jurídica colombiana permanecerá em silêncio sobre este caso até que a decisão do tribunal seja emitida.

CONTINUE LENDO:

también puedes leer

Pablo Lyle podría tener una segunda oportunidad antes de recibir su sentencia

La jueza del caso de Pablo Lyle fijó que la nueva audiencia del actor será …

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *